Por uma Arqueologia Feminista da ditadura no Brasil (1964-1985)

  • Jocyane Ricelly Baretta Universidade Federal de Pelotas

Resumo

O presente texto é um exercício interpretativo entre as relações de gênero e o mundo material da repressão em Centros de Detenção e Tortura no Brasil. Tomo como base a Arquitetura do DOPS/RS, além dos materiais e outros elementos não humanos utilizados para tortura de pessoas dentro desses espaços. Para tanto, me proponho a examinar esse meio material, através de seu entrecruzamento com os relatos de ex-presas(os) políticas, vistos sob a ótica do feminismo descolonial, com intuito de trazer à luz novos elementos da dinâmica repressiva brasileira, bem como, trabalhar a perspectiva de gênero como forma de valorizar os relatos de mulheres e de possibilitar a sua visibilidade nesse processo.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Doutoranda no PPG Antropologia.

Referências

ABREU e SOUZA, Rafael. 2014. Arqueologia e a Guerrilha do Araguaia ou a materialidade contra a não narrativa. In: Revista de Arqueologia Pública. N°10. LAP/NEPAN. Campinas: Unicamp.
ALMEIDA Tânia Mara Campos de; PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto. 2015. Violência contra mulheres negras no Brasil à luz dos estudos feministas latino-americanos. In: Karina Bidaseca, Alejandro De Oto, Juan Obarrio y Marta Sierra (comps.). Legados, Genealogías y Memorias Poscoloniales em América Latina: Escrituras fronterizas desde el Sur. Buenos Aires: Ediciones Godot, p.295-317.
ANJOS, Giulia. 2012. A arqueologia da repressão no contexto das ditaduras militares da Argentina, Uruguai e Brasil. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, 5:79-92
ARFUCH, Leonor. 2013. Memoria y autobiografia: exploraciones em los limites. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.
AYÁN VILA, et al. 2002. Arquitectura 1: Bases teórico metodológicas para uma arqueología de la arquitectura. TAPA- Trabalhos de Arqueoloxía e Patrimonio. N° 25. Laboratorio de Patromonio, Paleoambiente e Paisaxe – Instituto de Investigacións Tecnolóxicas, Universidade de Santiago de Compostela (IIT,USC), A Coruña, Galicia, novembro.
BAICA, Soledad González; FERNÁNDEZ, Mariana Risso (comp.) 2012. Las Laurencias. Violencia sexual y de género en el terrorismo de Estado uruguayo. Montevideo: Trilce.
BARETTA, Jocyane R. 2015. Arqueologia e a construção de memórias materiais da Ditadura Militar em Porto Alegre/RS (1964-1985). Dissertação Mestrado PPG/História/Unicamp. Campinas/SP.
BARETTA, Jocyane R. 2014. Arqueologia da Repressão e da Resistência e suas contribuições na construção de memórias. Revista de Arqueologia Pública. N°10. LAP/NEPAN. Campinas: Unicamp, 2014.
BALLESTRIN, Luciana. 2013. América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít. n.11, pp.89-117.
BAUER, Caroline. 2006. Av. João Pessoa, 2050 – 3°andar: terrorismo de Estado e ação de polícia política do Departamento de Ordem Política e Social do Rio Grande do Sul (1964-1982). Dissertação de mestrado-PPG História/ Ufrgs. Porto Alegre.
BELLÉ, Matheus F. 2013. Arqueologia da repressão em Porto Alegre (1964/1985). Monografia Bacharelado em Arqueologia/ICHI-FURG. Rio Grande/RS.
BETTO, Frei. 1982. Batismo de sangue: os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. Rio de Janeiro/RJ: Civilização Brasileira, 5°ed.
BIANCHINI, M. C. 2015. "De la represión al patrimonio: vestigios de la violencia de estado en Madrid y Santiago de Chile". Revista de dialectología y tradiciones populares, 70. pp. 399-426.
BRAH, Avtar. 2016. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 26, p. 329-376, abr. 2016. ISSN 1809-4449. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644745 Acesso em julho/2017.
BUCHLI, Victor; LUCAS, Gavin. 2001. Archaeologies of the Contemporary Past. Londres e Nova York: Routledge.
CABNAL, Lorena. 2010. “Acercamiento a la construcción de la propuesta de pensamiento epistémico de las mujeres indígenas feministas comunitarias de Abya Yala”. In: Feminismos diversos: el feminismo comunitario. Las Segovias: ACSUR, 2010:11-25. Disponível em:https://1drv.ms/b/s!AoZ-as87gk9xhy-MjulDQmTdFIH3 acesso julho 2017.
CABRERA, Marta; VARGAS MONROY, Liliana. 2014. Transfeminismo, decolonialidad y el asunto del conocimiento: algunas inflexiones de los feminismos disidentes contemporáneos. univ.humanist., Bogotá , n. 78, p. 19-37, Dec. 2014.
CALVEIRO, Pilar. 2013. Poder e desaparecimento: os campos de concentração na Argentina. São Paulo: Boitempo.
CARDOZO, Nilce Azevedo. 2013. Depoimento em vídeo Tortura no Golpe de 64. Publicado em 15 de março de 2013. Disponível em: www.youtube.com/whach?v=l1zld0vrqes Acesso em janeiro, 2017.
CARNEIRO, Sueli. 2003. Mulheres em movimento. Estud. av., São Paulo , v. 17, n. 49, p. 117-133.
CELIBERTI, Lílian. GARRIDO, Lucy. 1989. Meu Quarto, Minha Cela. Porto Alegre: L&PM.
COSTA, Claudia de Lima. 2014. Feminismos descoloniais para além do humano. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 22, n. 3, p. 929-934, Dec. 2014 .
COSTA, Claudia de Lima. 2015. Equivocação, tradução e interseccio-nalidade performativa: observações sobre ética e prática feministas descoloniais. In: BIDASECA, Karina; OTO,Alejandro de; OBARRIO, Juan; SIERRA, Marta (Comps.). Legados, ge-nealogías y memorias poscoloniales en América Latina: Escrituras fronterizas desde el Sur. Buenos Aires: Ediciones Godot/Colección Crítica, 2015. p. 275-307.
COLLING, Ana Maria. 2004. As mulheres e a Ditadura Militar no Brasil. Centro de Estudos Sociais Universidade de Coimbra. Coimbra. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/lab2004/pdfs/Ana_Maria_Colling.pdf Acesso jul./2015
CONTREIRAS, Janaína. 2015. Terrorismo de Estado e violência sexual na ditadura brasileira (1964–1985). Monografia Depto de História, Porto Alegre, UFRGS.
FUNARI, ZARANKIN, Andrés; REIS, José A. 2008. Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp.
FUNARI et al. 2009. Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis.
FOUCAULT, Michel. 2004. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes.
GARCIA, João B.; POSENATO, Júlio. 1989. Verás que um filho teu não foge à luta. Porto Alegre: Ed. Posenato Arte e Cultura.
GONZALEZ, Lélia. 1984. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244.
GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. 2012. Hacia otra arqueologia: diez propuestas. In: Complutum: Instituto de ciências del patrimônio (INCIPIT). Consejo Superior de Investigaciones científicas. Santiago de Compostela: v. 23, n. 2.
GONZÁLES-RUIBAL, Alfredo. 2008. Time to destroy an archaeology of supermodernity. In: Current Anthropology. v. 49, n. 2, Abril.
HANISCH, Carol. 1969. O pessoal é político. Disponível em: https://we.riseup.net/assets/190219/O+Pessoal%2B%C3%A9%2BPol%C3%ADtico.pdf Acesso, junho 2017.
HARAWAY, Donna. 1995. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu n°5. Núcleo de Estudos de Gênero Pagu/Unicamp, Campinas/SP, pp.7-41.
ISL-RS. Disponível em http://www.isl-rs.com.br/institucional/nossa-historia/12 Acesso em janeiro de 2017.
HARRISSON, Rodney. SCHOFIELD, J. Archaeo-Ethnography, Auto-Archaeology: Introducing Archaeologies of the Contemporary Past. Archeologies: Journal of the World Archaeological Congress. […] v. 5, n. 2, Ago/2009.
JELIN, Elisabeth. 2002. Los trabajos de la memoria. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI.
JELIN, Elisabeth & KAUFMAN, Susana G. 2006. Subjetividad y figuras de la memoria. Colección Memorias de La Represión. Buenos Aires: Siglo XXI.
JELIN, Elisabeth & CATELA, Ludmila da S .2002. Los archivos da represión: documentos, memoria y verdad. Madrid: Siglo XXI.
JOFFILY, Olívia Rangel. 2010. O corpo como campo de batalha. In: PEDRO, Joana M; WOLF, Cristina (orgs). 2010. Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres.
KENT, Susan. 1990. Domestic architecture and use of space. New directions in archaeology. Cambridge University Press.
LAQUEUR, Thomas. 1992. Making Sex: Body and Gender from the Greeks to Freud. Cambridge: Harvard University Press.
LEMOS, Caroline Murta. 2016. Construindo “memórias materiais” da ditadura militar. Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 29, n. 2, p. 68-80.
LÓPEZ MAZZ, José. M. (Ed.). 2012. Investigaciones antropológicas sobre detenidos desaparecidos en la última dictadura militar. Informe de Actividades Año 2011-2012. Montevideo, Udelar.
LUGONES, María. 2014. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, jan. 2015. ISSN 0104-026X. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755 Acesso maio, 2017.
MAYORGA, Claudia; COURA, Alba; MIRALLES, Nerea; CUNHA, Vivane Martins. 2013. As críticas ao gênero e a pluralização do feminismo: colonialismo, racismo e política heterossexual. Rev. Estud. Fem. [online]. Vol.21, n.2, pp. 463-484.
MALDONADO TORRES, Nelson. 2008. A topologia do Ser e a geopolítica do conhecimento. Modernidade, império e colonialidade. Revista Crítica de Ciências Sociais. 80, Março, p.71-114.
MELLO, Maíldes A. 2008. O jantar dos inocentes: a sagados expuragados gaúchos. 2ed. Porto Alegre: Sagra Luzatto.
MENDOZA, Breny. 2014. La epistemología del sur, la colonialidad del género y el feminismo latino-americano. In: Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala. Editoras: Yuderkys Espinosa Miñoso, Diana Gómez Correal, Karina Ochoa Muñoz – Popayán: Editorial Universidad del Cauca.
MERLINO, Tatiana. 2010. Direito à memória e à verdade: Luta, substantivo feminino. São Paulo: Editora Caros Amigos, 2010.
MERLINO, Tatiana.; OJEDA, I. (Org.). 2010. Direito à memória e à verdade: luta, substantivo feminino. São Paulo: Caros Amigos; Brasília: Secretaria Especial de Política para Mulheres: Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.
MIGNOLO, Walter. 2003. Historias locales/disenos globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal.
MOSHENSKA, Gabriel. 2008. “Ethics and ethical critique in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Norwegian Archaeological Review, [S.L.] v. 41, nº 2.
MOSHENSKA, Gabriel. 2009. “Working with Memory in the Archaeology of Modern Conflict”. In: Cambridge Archaeological Journal, Cambridge, 20:1, pp. 33-48.
MOSHENSKA, Gabriel. 2010. Gas masks: material culture, memory, and the senses. JRAI – Journal of the Royal Anthropological Institute (N.S) 16, 609-628 Royal Anthropological Institute.
MARKUS, Thomas A. 1993. Buildings and power: freedom & control in the origin of odern building types. London: Routledge.
OBERTI, Alejandra. 2010. Qué le hace el género a la memoria? In: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres, p.13-30.
PADRÓS, Enrique. 2010. A Ditadura de Segurança Nacional no Rio Grande do Sul 1964-1985:História e Memória. Da campanha da legalidade ao golpe de 1964.vol. 1. 2° ed. Ver. eAmpl. Porto Alegre: Corag.
PECORARO, Alessandra P. 2011. Políticas de terror y violência sexual. IN: Gritos em silencio: uma investigación sobre la violência sexual em el marco del terrorismo de Estado. Rosário: CLADEM.
PAZ, Alfredo B. 2010. Represión política y género em la Dictadura Paraguaya. In: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres, p. 74-93.
PEDRO, Joana M; WOLF, Cristina (orgs). 2010. Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres.
PEARSON, Michael; RICHARDS, Colin. 1994. Architecture and order. Aproaches to social space. Routledge, Londres.
QUIJANO, Aníbal. 2005. Colonialidad y modernidad-racionalidad. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/36091067/Anibal-Quijano-Colonialidade-e-modernidade-Racionalidade. Acesso em setembro 2017.
RAMMINGER, Ignez Maria Serpa. 2010. ‘Na guerra com batom’. A ditadura de Segurança Nacional no Rio Grande do Sul. In: PADROS, Enrique Serra (org.). Repressão e Resistência no “anos de Chumbo”. Vol. 02. Porto Alegre: Ed.: CORAG, p. 135-159, 2010.
RAMMINGER, Ignez Maria Serpa. 2013. Depoimento em vídeo Tortura no Golpe de 64. Publicado em 15 de março de 2013. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=fLacB6ys3hA&t=541s Acesso em janeiro, 2017.
RIBEIRO, Loredana. 2017. A crítica feminista, arqueologia e descolonialidade: sobre resistir na ciência. Revista de Arqueologia SAB, vol. 30 n° 01. pp. 210-234. 2017. Disponível em http://www.revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/517
SALERNO, Melisa. 2009. A construção da categoria “Subversivo” e os processos de remodelação de subjetividades através do corpo e do vestido (Argentina, 1976-1983). In: Arqueologia Direito e Democracia. Erechim: Habilis.
SANSAVIERO, Rafael. 2012. Soldaditos de plomo y muñequitas de trapo: los silêncios sobre el abuso sexual enla tortura después que la tortura fue um sistema de gobierno. LasLaurencias violência sexual y de género em el terrorismo de Estado Uruguayo. Montevideo: Trilce, 2012.
SARTI, Cynthia Andersen. 1998. O início do feminismo sob a ditadura no Brasil: o que ficou escondido. XXI Congresso Internacional da LASA Chicago, 24-26 de setembro de 1998. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/lasa98/Sarti.pdf acesso, junho 2017.
SAPRIZA, Graciela. 2009. “Cuerpos bajo de sospecha: um relato de la ditadura em Uruguay desde la memoria de lasmijeres. Revista Labrys. Jan/dez.
SAPRIZA, Graciela. 2010. Memoria y memorias de mujeres em el relato de la ditadura (Uruguay, 1973-1985). In: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres.
SEGATO, Rita Laura. 2012. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos ces [Online], 18 | 2012, Disponível em: http://eces.revues.org/1533 acesso junho/2017.
SCHILLING, Flávia. 2010. Memória da resistência ou a resistência como construção da memória. In: PADRÓS, Enrique Serra et al. (orgs.). Ditadura de Segurança Nacional no Rio Grande do Sul (1964-1985): história e memória. Porto Alegre: CORAG, 2010.
SILVA, Tauana O. G. 2014. A participação política das mulheres negras comunistas durante a ditadura militar no Brasil (1964-1984). Anais do II Seminário Internacional História do Tempo Presente, 13 a 15 de outubro de 2014, Florianópolis, SC. Programa de Pós-Graduação em História (PPGH), Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).
SOUSA, Príscila P. 2014. Memória, objetos e edifícios: uma análise arqueológica sobre o edifício que sediou o DEOPS/SP. Revista de Arqueologia Pública. N°10. LAP/NEPAN. Campinas: Unicamp.
SUAREZ, Carlos M. 2014. Arqueología de los campos de concentración del s. XX: Argentina, Chile, Uruguay y España .Revista Arkeogazt. Materializando la desigualdad social, n°4, pp. 159-182, 2014.
SUAREZ, Carlos M. 2016. Marcas-monumento y marcas-proyecto en la arquitectura represiva de la ditadura cívico-militar uruguaya. El proceso de anclaje de la memoria en la cárcel política de mujeres de Punta Rieles (Montevideo). Aletheia, volumen 6, número 12.
SOIHET. Rachel. 2010. Mulheres brasileiras no exílio e consciência de gênero. Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres.
TAVARES, Flávio. 2012. Memórias do esquecimento: os segredos dos porões da Ditadura. Ed. ampl. Porto Alegre: L&PM.
TELES, Janaína A. 2012. Os trabalhos da memória: os testemunhos dos familiares de mortos e desaparecidos políticos no Brasil. In: SELLIGMANN-SILVA, Márcio; GINZBURG, Jaime; HARDMANN, Francisco (orgs). Escritas da Violência. Vol.II. Rio de Janeiro: 7letras.
THIESEN, Beatriz et al.Vestígios de uma ausência: uma Arqueologia da Repressão. In: Revista de Arqueologia Pública. N°10. LAP/NEPAN. Campinas: Unicamp, 2014.
VARGAS, Índio. 1981. Guerra é Guerra: dizia o torturador. Coleção Edições do Pasquim –vol. 78. Rio de Janeiro: Codecri.
VARGAS, Índio. 2005. A guerrilheira: mistério e mortes na Ilha do Presídio. Porto Alegre: AGE, 2005.
WOLF, Cristina S. 2010. O gênero da esquerda em tempos de Ditadura. In: Gênero, feminismos e ditaduras no cone sul. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres. p. 138-155.
ZARANKIN, Andrés. SALERNO, Melisa e PEROSINO, María C. 2012. Historias desaparecidas: arqueología, memoria y violencia política . - 1a ed. - Córdoba : Encuentro Grupo Editor.
ZARANKIN, Andrés; NIRO, Cláudio. 2008. A materialização do sadismo: arqueologia da arquitetura dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina (1976-83). IN: Arqueologia da Repressão e da Resistência: América Latina na era das ditaduras (1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp.
ZARANKIN, A. Arqueología de la arquitectura: Another brick in the wall. Revista do Museu de Arqueología e Etnología. Suplemento 3:119-128, 1999a.
ZARANKIN, A. Casa tomada; sistema, poder y vivienda familiar. Sed Non Satiata. Teoría Social en la Arqueología Latinoamericana Contemporánea, editado por A, Zarankin y F, Acuto, p. 239-272. Ediciones DEL TRIDENTE, Buenos Aires, 1999b.
ZARANKIN, A. Paredes que domesticam: Arqueologia da Arquitetura escolar capitalista. São Paulo, CHAA/IFCH/Unicamp, 2002.
ZARANKIN, A. Arqueología de la arquitectura, modelando al individuo disciplinado en la sociedade capitalista. Revista de arqueología americana Nº 22. Instituto Panamericano de Geografía e Historia, p.25-41, 2003.
Publicado
2017-12-21
Como Citar
BARETTA, Jocyane Ricelly. Por uma Arqueologia Feminista da ditadura no Brasil (1964-1985). Revista de Arqueologia, [S.l.], v. 30, n. 2, p. 08-34, dez. 2017. ISSN 1982-1999. Disponível em: <http://revista.sabnet.com.br/revista/index.php/SAB/article/view/541>. Acesso em: 25 fev. 2018. doi: https://doi.org/10.24885/sab.v20i2.541.